GIGANTES E LEÕES

0

septiembre 26, 2016 by Bortolato

Textos:  II Samuel 21:15-22      e       I Crônicas 12:8

I – Introdução:  Quem eram os gigantes?

A – Homens altos, fortes, e terríveis guerreiros, que nas guerras se portavam muito eficientemente nos combates corpo a corpo, devido à sua grande força.   Eram matadores cruéis.

B – Orgulhosos de serem reputados como máquinas de matar, ufanavam-se de muitas glórias, matando e ferindo a muitos.

                B.I – Golias ousou desafiar  e desaforar a Israel por 40 dias.   Ele pedia “um homem”.  Ele tinha quase três metros de altura, e dispunha de formidáveis armaduras e armas acessórias

                B.2 – Insinuava-se invencível, através de seus deuses, como Satanás costuma ufanar-se ostensivamente, dizendo que ninguém era como ele.  Chegou até a amaldiçoar a Davi pelos seus deuses e afrontou aos exércitos do povo de Deus.

C – Temidos não sem razão, amedrontavam e matavam aos mais fracos.  Quando os exércitos inimigos vinham contra Israel, eram, ao longe, um bloco de gente que não dava para se distinguir quem viria ao seu encontro, mas … chegando mais perto, logo se via a estatura de um ou de outro que se destacava no meio da soldadesca.

Davi não se deixou intimidar porque colocava sua confiança no Senhor dos Exércitos.

II – Quem são os nossos gigantes:   existem muitas formas de gigantes que enfrentamos na vida.

A – Enfermidades insistentes, que quando vêm, parecem querer dizer que não mais nos irão deixar.

B – Opressão financeira, quando se prolonga, empurrando vidas para o desânimo.

C – Filhos e irmãos levados a vícios, às drogas, álcool e outras coisas afins.   Perturbam toda a família.

D – Perseguições: – D.1 – No trabalho; e D.2 – Buillings nas escolas

E – Lutas ferrenhas contra demônios.   Quem sabe discernir espíritos, também consegue identificá-los com certa facilidade, mas também sabe que significa que haverá luta feroz.

III – Como vencermos a esses gigantes:

É a nossa fragilidade que não compreende bem tais situações.   A luta é dura.  Como soldados, procuramos nos defender da melhor forma que podemos, mas a peleja é contínua.

1 – Orando, clamamos, de dia e noite; às madrugadas;   lemos a Bíblia ligados no espírito           com o Senhor

2 – Jejuamos, sem deixarmos de orar

3 – Pedimos oração aos irmãos, para nos ajudarem na peleja

4 – Pedimos para sermos ungidos, pois o óleo é símbolo do Espírito Santo.

Mas às vezes a luta continua, e perguntamos:  – “Até quando, Senhor?”  – E isso será  até os enfrentarmos na força e no poder do Senhor.   De repente, chega o esperado momento, e vencemos os gigantes.   Mas a Bíblia nos diz que Josué teve que vencer a vários gigantes dos amorreus.  Ogue, rei de Basã, foi um desses gigantes vencidos.

A – Podemos estar recebendo um livramento milagroso:

A.l – Como Josué:  (a)fazendo ruir muralhas;  (b)fazendo parar o sol e a lua; (c) fazendo chover pedras sobre os inimigos. (Josué caps. 6 e 10)

A.2 – Como Samuel (cap. 7): trovejando de forma a aterrorizar, e atacando aos filisteus

A.3 – Como Jônatas, filho de Saul:  O Senhor lhe deu coragem e ousadia, atacou aos filisteus de tal forma que os desestruturou.   De quebra, o Senhor fez tremer a terra (I Samuel 14:12-15).

B – FORMANDO LEÕES DE DAVI:

B.1 – Este é uma outra maneira de Deus operar, sem fenômenos sobrenaturais sobre a natureza.   Nos dias de Davi, não se sabe de registros de que o Senhor fez tremer a terra, ou enviou trovões e raios terríveis, o sol não parou, e nem muralhas foram destruídas milagrosamente.   Como foi, então, que ele venceu  a essa raça de gigantes?  Deus fazia então outro tipo de milagres. A Bíblia narra-os em II Samuel capítulo 21 e 23.

B.2 – Levantando destemidos homens de guerra para aderir á causa de Davi: Joabe, Abisai, Sibecai, Josebe Bassebete ( que matou a 800), Eleazar, o filho de Dodô, c/espada que se lhe apegou à mão; Sama, o filho de Age (em um campo de lentilhas, sozinho).

B.3 – COMO? Enquanto Davi salmodiava a Deus, eles se lhe juntavam e o Senhor ia formando aquele exército de valentes que desbaratavam ao inimigo aos mostrarem a sua bravura.  Davi era um guerreiro, e Deus foi-lhe adicionando pessoas destemidas para o rodearem e serem treinadas pelo ditoso salmista, o homem que produzia Salmos nos momentos de suas dificuldades.   E o Espírito de Deus ia formando naquelas pessoas que o rodeavam e o ouviam, uma fé e um caráter firme e forte, de verdadeiros vencedores.

B.4 – Mas: Não guerreavam contra Saul –            Não devemos fazer guerra contra irmãos.  Enquanto Saul os perseguia dia após dia, aqueles guerreiros iam treinando suas capacidades  para enfrentarem muitas situações adversas, e fortalecendo-se cada vez mais. Foi aí que seus homens receberam uma lição que deveria perdurar para sempre:  nunca guerrear contra o ungido do Senhor

                                                                                              Mas contra Amaleque,  Davi um dia se refugiou em Gate, cidade filisteia, no meio dos inimigos do povo de Deus.    Davi ia para o sul de Judá, e lá ele dava contra os amalequitas, aquele povo que, usado por Satanás, tentou impedir que Israel entrasse na Terra Prometida, desafiando ao próprio Senhor Yaweh, que os tirara do Egito com mão forte de poder.

                                                                                              Como fazem as formigas: elas têm um enorme ferrão, mas não ferroam aos seus irmãos.  São unidas, e não atacam ao seu próprio povo, do seu formigueiro, mas antes trabalham incansáveis par os alimentar e crescer em grande número.

B.5 – Como os GADITAS (I Crônicas 12:8) – rostos de leões.

“Dos gaditas, passaram-se para Davi, à fortaleza no deserto, homens de guerra para pelejar, armados de escudo e lança.  Seu rosto era como de LEÕES, e eram eles ligeiros como gazelas sobre os montes.”

Imaginamos que tinham uma abundante cabeleira, e uma barba que se unia à sua juba; se fossem encontrados de repente, no meio da escuridão da noite, seus adversários iriam ficar assustados.

Que sejamos como gaditas, para assustar ao inimigo, e pô-lo para correr!   Como leões eles iam em grupos pelos campos de guerra bravamente, como que a dizer:  – “não me impressiono com gigantes, eles são apenas mais um…”

C – DESFAZENDO DÚVIDAS E DESCULPAS:

C.1 – E V. dirá: “Eu, um leão? Sou de paz, não de guerra, não sou de briga,  sou mais para um “gatinho”…

C.2 – MAS:  Olhe para  Jesus, o Cordeiro de Deus, além de Cordeiro, é também um  Leão, o Leão de Judá (Apoc.. 5:5)  Ninguém foi achado digno de romper os sete selos e de abrir o livro, mas um anjo forte gritava:  “Quem é digno de abrir o livro  e desatar os sete selos?”   Não havia um só que se levantasse naquele momento, mas um dos 24 anciãos disse a João:

– “Não chores, eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi venceu para abrir os sete selos (Apoc. 5:5).”

                C.3 – V. dirá então:   “Mas ele é Jesus.  Somente Ele é o Leão de Judá”…  Eu não posse ser um leão!   Porém: NÃO somente Jesus é Leão, veja-se também:

– Os seres celestes de Ezequiel 1:5-10 (Homem,Boi, Águia e Leão) no A..T., os quatro querubins, certa classe de seres celestiais que possuíam seis asas, mãos como de homem, e quatro rostos, ou facetas:  uma de homem, outra de boi, outra de águia e outra de Leão.  Por quê?  Porque foram formados assim; e semelhantes em parte com Jesus, a aparência era de humanos, mas também tinham quatro faces, das quais, uma delas era de leão.

  1. dirá outra vez: “ – Mas isso é lá uma revelação do Antigo Testamento. Estamos em outro tempo. Então vamos para Apocalipse, capítulo 4.  Lá onde se descreve a sala do Trono de Deus.  O Pai está ali assentado com todo o seu brilho maravilhoso, a mostrar o resplendor de Sua glória.   Relâmpagos, trovões, vozes se ouvem, e sete tochas de fogo são vistas.   Ao Seu redor, há 24 anciãos vestidos de branco, coroados com coroas de ouro em suas cabeças.   Um mar de vidro há no meio da sala, e… ali… que mais?

                               – Os seres celestes de Apocalipes 4 ( Idem, idem) no N.T.  Quatro seres celestes com rostos de: Leão, de homem, de novilho e de águia.

C.3.1 – Rosto de homem – à imagem de Deus, sensível, sábio, glorioso, inteligente, rico em capacidade de compreensão, sensível, que conhece a natureza humana, e foi criado para realçar a Criação, glorificando ao Todo Poderoso..

C.3.2 – Novilho – nele está embutido o conceito de sacerdócio santo, pois lembra o altar dos holocaustos, no qual ardia o fogo do Senhor dia e noite, nunca se apagando, onde eram sacrificadas as carnes de novilhos, o que é figura do espírito sacrificial de Cristo, que de nós teve misericórdia, e como nosso Sumo Sacerdote, intercede por nós, e assim também devemos ter misericórdia dos que pecam, sofrem  e necessitam de reconciliar-se com Deus.

C.3.3 – Águia – excelência nas alturas, sobe acima dos mais altos montes deste mundo, alimenta-se do alto, mas também desce para pescar.   O Senhor também Se compara com uma águia (Êxodo 19:4) quando está treinando seus noviços filhotes em seus primeiros voos, ocasião em que estes se mostram fracos demais para suportar asas abertas por longo tempo, e caem das alturas,mas não para irem ao chão, porque a águia mãe então mergulha no ar, vai ao seu encontro, e sustenta-os nas suas asas até que tenham forças suficientes para o resto de suas vidas.

Quando lá do alto avistam com seu olhar acurado os peixes na lagoa, então descem com precisão incrível até a flor da água, e os apanha e os leva para si.   O Senhor também veio dos altos céus para dizer a Pedro, André, e cada um de nós:  “Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens”

C.3.4 – LEÃO – , tal e qual Jesus se mostrou quando na visão de João abriu os sete selos do livro.   Anjos também devem ser semelhantes a Jesus, e eles também devem ser a imitação do caráter do Deus Homem.   Demonstram, pois, força, coragem, ousadia, soberania,realeza, como os leões na savana.  Andam sem temor, enquanto os outros animais os temem.

Os gaditas tinham rostos como de leões, eram fortes, ágeis, e corajoso.  Olhe para os valentes de Davi – muitas vezes em desvantagem numérica, mas com força e habilidade nas mãos e nos pés, iam com determinação contra os gigantes e os venciam.   Lutavam, e abatiam ao inimigo.   Com poucos ou com muitos, isso era o de menos, era apenas um pormenor.   Entre os valentes de Davi, que eram mais do que leões,  vemos Jasobeão, também chamado de Josebe Bassebete, Eleazar, o filho de Dodô, Abisai (que também matou a 300 de certa feita), Benaia, filho de Joiada.  Verdadeiras e temíveis feras, máquinas de guerrear eficientíssimas.

C.4 – Os valentes de Davi (II Samuel 23 e os gaditas de I Crôn.12:8) com ele foram vencendo grandes exércitos apesar de serem minoria. Nossa diferença com eles: Zacarias 4:4 – não guerreamos contra a carne ou sangue, mas contra principados e potestades, dominadores espirituais deste mundo – contra estes, sim, devemos guerrear, mas não por força e nem por violência, mas pelo Espírito do Senhor.

C.5 – Alguém ainda dirá:  – “Não posso ser um leão, não sei rugir, quando muito, se eu tentar, vai sair um miadinho”…    V. não ´precisa rugir.   Os filhotes de leão não rugem, mas um dia serão capazes de rugir, e farão todos os bichos estremecerem na pradaria.

                               C.5.1 – Mas lembre-se: os leões não costumam ir à caça sozinhos.  Como os leões, não vá à caça desacompanhado.  Precisamos ter retaguarda.

                               C.5.2 – Vá em cunha, em linha, em formação disciplinada, juntando-se aos irmãos – à retaguarda (em oração) ou ao lado,  à medida que sentir que pode enfrentar os gigantes.

Os valentes de Davi também precisavam uns dos outros.  Eles diziam aos seus irmãos:  Venha comigo, proteja minha retaguarda.  Ou: fique ao meu lado, e vamos em frente.   Precisamos suportar aos nossos irmãos que lutam ao nosso lado.  Sustentando-os moralmente, ou em pessoa, vamos animá-los e dizer-lhes:  “Estamos aqui, para fechar a nossa cidadela,  saquear o inferno e povoar o céu”.

Se alguém for ferido em batalha, vamos dar-lhe a mão, e ajudá-lo a erguer-se.  Não se deixe vencer do mal, mas vence ao mal com o bem.  Não para discutir sobre quinquilharias, mas para abençoar.

                C.6 – V. hoje pode ser um leãozinho, amanhã como um leão, como um gadita.

“Filho de peixe, peixinho é”, diz o ditado.   Os filhos do Pai Celeste são semelhantes a Jesus, e Jesus é o Leão da Tribo de Judá.

Sejamos todos  leõezinhos de Jesus, e vamos à luta.  Quem sabe V. ainda está miando…  mas aplique-se e deixe ser treinado, e vá crescendo na graça e no conhecimento de Deus

  1. é parte da Criação de Deus, criado à imagem e semelhança do Altíssimo. Tem todo o caminho aberto para ser um filho do Leão de Judá.

Vamos crescer e ser treinados para lutar.  O Senhor nos espera.


0 comments »

Lo siento, debes estar conectado para publicar un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho