SE VIEREM DIAS RUINS…

0

julio 19, 2012 by Bortolato

Considerando os dias da adversidade, leiamos  Eclesiastes capítulo 7, verso 14:

 

“No dia da prosperidade, goza do bem; mas, no dia da adversidade, considera que Deus fez tanto este como aquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele”.

 

Certo dia um pastor, que tem um ministério muito abençoado, estava para sair de casa para seu trabalho, quando ele ouviu muito claro a voz de Deus que lhe advertiu:   – “Não saia de casa, hoje é um dia mau”.

Aquela palavra lhe soou um pouco estranha, mas resolveu obedecer, cancelando os compromissos de sua agenda naquele dia.    Aconteceu, então, que sua filha pequena, que estava brincando em casa, de repente sofreu um grave acidente, e ele teve de, às pressas, levar a menina ao pronto socorro, a fim de que ela fosse prontamente atendida.     Felizmente, tudo ficou sendo apenas um susto, pois graças aos céus, as providências imediatas foram tomadas no tempo certo, e aquela filha foi salva.

Parece que nunca esperamos pelo mal, só ficamos na expectativa de boas coisas acontecerem, mas isto é um posicionamento muito ingênuo.    Tanto o bem como o mal sucede a todos indistintamente, uns mais e outros menos.    Não queremos sequer pensar na possibilidade de dias maus, mas como evitar que estes tenham acesso ao tempo de nossa vida nesta Terra?

O nosso texto bíblico diz que quando os dias são bons, o conselho é: desfrute-os.

Quando os dias são bons, não hão que reclamar.   Você vive dias felizes?   Ótimo! Curta-os e viva-os enquanto pode.

Saiba, porém, que nem só de flores é formado o jardim…   Repare bem como um raminho de rosas se nos apresenta.   Ele é comprido, o galho cheio de espinhos, e somente na extremidade é que aparece a flor.   Uma só, ou duas, quando muito três – mas com os seus ramos cheios de espinhos.

A verdade é que não gostamos sequer de pensar nisso.   Há quem ache que pensar no mal é ser negativista, ou pessimista, é ser para baixo, etc. – mas não deixam de instalar um alarme, trava carneiro, rastreador por satélite em seus veículos, e ainda fazer um seguro, por via das dúvidas.   Fazem seguro de vida em grupo, pensando que um dia poderiam vir a faltar, e causar um problema para a sua família, se não se precaverem.      Não queremos pensar no pior, mas vivemos procurando nos desviar dele ou nos prevenirmos caso venha a acontecer.   Isto prova que o mal vive nos cercando aqui e ali, quer queiramos pensar no problema ou não.

Perguntamos pois: quem pode dizer que nunca passou por dificuldades algum dia?

Há pessoas que não se conformam quando vem a adversidade.   Uns choram, outros tremem, outros esbravejam, mas a maioria fica nervosa e ansiosa, não raro perdendo o controle de si mesmo.

Gostaríamos que a vida nos oferecesse somente bênçãos, mas não são assim as coisas.

Seria sábio falar somente de coisas boas a nossos filhos, sem deixar que percebam que tudo tem um custo e há um outro lado da moeda?   E por que então temos de prevenir nossos filhos contra traficantes de drogas e contra pedófilos?   Olhem, é muito bom prevenir, é melhor do que o remediar.

Será que se não informarmos bem a nossos filhos, estes não irão pensar que tudo são só maravilhas, tudo são flores, um mar de rosas nesta vida?    E o que é que eles farão quando chegar o dia da adversidade?

Encher as crianças de brinquedos, de programas em parques de diversão, de Vídeo Games, títulos de clubes, e montes de presentes pode parecer muito bom, mas nunca se deve esconder dos filhos que existem problemas na vida, os quais exigem paciência, atenção, esforço especial e um tratamento bem aplicado para podermos vencê-los.

Receber de presente dos pais a chave de um automóvel, dizendo que agora somos já grandinhos, aos 10 anos de idade, parece não soar muito bem aos nossos ouvidos.     Tudo que vem fácil às nossas mãos não é valorizado, e fazer um presente desses para uma criança é como tentar esconder-lhe que muitas coisas desta vida não são fáceis de se conseguir.

Eclesiastes, capítulo terceiro nos diz que “há tempo para tudo nesta Terra:” tempo de rir e tempo de chorar; tempo de nascer, tempo de morrer, tempo de prantear e tempo de dançar, tempo de lutar e tempo de viver em paz, entre outros tipos de tempo.

Se dissermos que este mundo é feito só de coisas boas, estaremos mentindo, colaborando para que a ilusão nos engane, e deixando-nos ficar despreparados para as lutas da vida.

Se olharmos para o povo que saiu livre, depois de 400 anos no Egito, viu tremendas manifestações do poder de Deus para perseguir seus inimigos, e forçá-los a deixar o povo de Israel ir embora, libertados ainda com grande despojo nas mãos.   Depois de verem o exército perseguidor do Faraó afogado no Mar Vermelho, veremos Mirian cantando e dançando, Moisés exultando, tudo parecia que dali para a frente o seu caminho seria de mil maravilhas, só maravilhas.

Vamos parar e pensar:   o povo viu maravilhas no deserto?   Sim, viram e muitas.

Perguntamos então: esse povo viu também a adversidade?  Sim, viram e muitas.

Fazemos a mesma pergunta a Você que nos ouve.    Você já viu Deus operando em sua vida?   Cada um responda para si mesmo.   E Você já viu a adversidade bater à sua porta algum dia?   Sim ou não?

Logo, as bênçãos são para ser desfrutadas, mas para que servem os maus dias?

 

PARA NOS REVELAR QUEM SOMOS:

 

 

Os maus dias funcionam como luzes muito fortes, que fazem arder nossos olhos, e nos incomodam muito – mas essa mesma luz intensa serve para nos revelar muitas coisas que escondemos no oculto de nossas almas.

Certa vez, minha esposa, quando trabalhava em um laboratório de análises de produtos petrolíferos, aconteceu-lhe um imprevisto dentro de sua sala de trabalho.   Algum produto liberou indevidamente uma fumaça intensa que encheu rapidamente a sala onde trabalhavam todos os funcionários daquele setor.   Quando isso aconteceu, houve um atropelo, um stress, uma correria geral que se espalhou pelo local entre colegas, e poucos tiveram a cabeça no lugar  ao ponto de providenciar imediatamente as medidas devidas para aquele tipo de acidente de trabalho ser saneado.   A maioria fica apavorada nessas horas, e pensa somente em fugir, sair correndo, deixando tudo explodir e ir para os ares.   Não querem saber o que está acontecendo – só querem salvar a sua própria pele, e não pensam em outra coisa.

Se alguém gritasse bem alto:  – “Incêndio!” aqui e agora, o que Você faria?   Correria.    Pensando bem, esta poderia ser a maneira de se salvar a si mesmo, e a mais conhecida.    É bem provável que ninguém aqui tivesse outra atitude, mas, não é assim que se combate a um incêndio.   Se sair correndo fosse a solução, não existiria o Corpo de Bombeiros, que se arrisca para salvar ou ajudar pessoas em dificuldades.

Assim, essas condições adversas servem para nos mostrar que:

  • Somos instintivamente egoístas ao ouvirmos um alarme, sinal de uma adversidade iminente.
  • Não é a melhor atitude ser egoísta, pois podemos deixar de abençoar ou mesmo prejudicar outras pessoas.
  • Nas horas difíceis, temos de aprender a reagir com método, com fé e calma, para reagirmos de forma positiva, visando à melhor solução.
  • Depois que assim aprendemos, não devemos nos esquecer de partirmos para a ação, enfrentando os problemas da vida, em vez de fugir deles.

 

O que V. faria se soubesse que sua esposa espera por um filho em seu ventre, e a medicina dizendo que a criança que está para nascer sofrerá da Síndrome de Down?   Muitas podem ser as reações, mas a melhor é: fale com Deus!  Ele ouve as nossas orações.  Conhecemos mais de um caso em que as crianças nasceram perfeitas, apesar do diagnóstico médico ser tão desanimador.

Sua reação inicial pode não ser esta, mas para que servem as dificuldades senão para nos ensinar a reagirmos como servos e filhos de Deus?

As adversidades nos levam à reflexão, e nos mostram como somos na realidade, e como deveríamos ser.

 

 

 

PARA NOS LEVAR A MUDANÇAS INTERIORES:

 

 

Se algo não está bem ajustado dentro de nós, é intuitivo: temos de mudar, para sermos vencedores em cada situação.

De que nos adianta sermos fracos, chorarmos, batermos os pés esmurrarmos o chão, espernearmos, gritarmos e extravasarmos a ira nessas horas.

Devem os pais ceder a pirraças e escândalos encenados por crianças?    Seria isto bom para sua educação?   Certamente que não, pois estariam alimentando nas crianças o sentimento de que estas podem, elas têm o poder de manipular o comportamento de seus pais.

Temos de aprender que há coisas que não podem e outras que não devem ser mudadas.   Nem tudo que se quer pode ser feito, e há outras coisas podem, devem e precisam ser mudadas.

Se Você estivesse dentro da nau Titanic, que bateu num iceberg, rompeu o seu casco de forma tremenda e irremediável, de que adiantaria ficar ali chorando, gritando, urrando e lamentando a sorte o tempo todo?  Isso adiantaria alguma coisa naquela hora?   Foi o que alguns fizeram, mas isso de nada adiantou, porque o navio afundou mesmo!

Sabe-se que os primeiros botes salva-vidas foram lançados ao mar quase vazios, pois assim que veio a primeira ordem para abandonar o navio, os passageiros ficaram atônitos, estupefatos, imóveis, não queriam acreditar no que estava acontecendo.

Quem, porém, pôde pensar com a cabeça no lugar, não deixando o pânico ou nervosismo obstruir-lhe os pensamentos, logo foi tratando de apanhar os seus pertences que estavam à mão, abandonar bagagem e todo o resto de carga, e ir rapidamente para o convés, onde a tripulação os estaria encaminhando aos botes salva-vidas.

Alguém muito sincero diria que não teria essa frieza toda, e que logo perderia a calma, e poderia até fazer alguma bobagem ou desistir logo da vida.

Pois então, é hora de tratar de mudarmos, pois ninguém possui um salvo-conduto que isente dos dias ruins.   Todos têm que estar preparados.

Isto é, pois, o que o Senhor nos diz: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça” (e repete esta frase várias vezes na profecia de Apocalipse), advertindo-nos a abandonar o barco deste mundo, deixando neles os pesos e cargas que não podemos carregar, e venhamos para o Seu barquinho, o qual não afunda, nem com as mais terríveis tempestades – e estando Ele junto, estaremos salvos.

Apesar que coisas não muito boas possam advir, precisamos ter fé e coragem, porque nem tudo está perdido, enquanto se tem vida e muito estará ganho, se entregarmos nossas apreensões nas mãos de Deus.

 

 

SERVEM PARA USARMOS A FÉ:

 

 

Que atitude melhor poderiam ter os três amigos de Daniel senão ter fé?

Negar que o Senhor é o único Deus, ajoelhando-se diante da grande estátua do campo de Dura, seria desapontar ao Senhor que os guardou com vida, ao terem sido exilados de Jerusalém para a Babilônia.   Isso estava fora de cogitações.   Não se ajoelhariam de modo algum diante de estátua alguma, nem aquela feita por ordem do rei Nabucodonozor.   Que o imperador fizesse o que quisesse com suas vidas – e ele quis lançá-los na fornalha de fogo ardente.

Fugir não lhes foi possível.   Não lhes foi dada esta opção.

Foram amarrados, carregados por homens fortes e atirados para dentro daquele fogaréu.

A única coisa que puderam fazer foi crer em Deus, que seriam milagrosamente salvos, e foi isso mesmo o que fizeram.   Se o Senhor não os quisesse salvar, morreriam ali, torrados e carbonizados até se tornarem em cinzas, e se esta fosse a vontade de Jeová, não era para se desesperar – que fosse feita a Sua santa e bendita vontade.

Eles sabiam que o Deus em quem criam tem poder sobre as chamas vivas de uma fornalha de fogo.

Fé é confiança inabalável.   Fé não discute, não duvida, e não vacila.   Não aventa o “se” condicional.   É incondicional.

Há alguma coisa que lhe incomoda? Você se vê de mãos e pés atados?   O cerco está fechado contra sua vida?   Está apertando-o até o seu limite?   Está empurrando-o para dentro da fornalha da tribulação?

Não tema!   O quarto Homem está dentro da fornalha, esperando ali mesmo para dar o livramento.   Creia!

Disse Jesus:

– “Se creres, verás a glória de Deus”

Veja então a glória de Deus!

Abra os olhos da fé e veja!

Deus é vivo e opera maravilhas!

Disse Jesus outra vez:

– “Não temas, crê somente”.

Lembre-se: Canaã é a terra prometida.   Canaã, lá vamos nós, já estamos indo!

A glória do Senhor nos espera lá adiante, e hoje aqui também.

 


0 comments

Sorry, comments are closed.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho