Dramas da vida

0

septiembre 8, 2012 by Bortolato


Você já perguntou ao Senhor alguma vez: – «Senhor, por que às vezes  me vêm problemas tão grandes, que eu nem sei como os resolver»?

Vamos meditar em Marcos, capítulo 6, versículos 45 a  51.

O texto começa narrando que Jesus obrigou os seus discípulos a subir para um  barco, e passarem à Sua frente, para o outro lado do mar da Galiléia, para Betsaida, porque ele iria despedir-se da multidão, e depois ainda iria para um monte, a fim de entrar em oração, em comunhão com o Pai.   E logo veio o fim da tarde, e eles estavam no meio do mar, lutando contra as ondas, e Ele, sozinho, os via de longe.

Ora, vindo a quarta vigília da noite, isto é, cerca de 6 a 8 horas depois que se separaram, lá estava o barquinho no meio do mar, e os discípulos ali, lutando para se verem livres da tormenta, sem conseguir chegar ao outro lado do mar.

As tempestades da vida vêm, como vieram aos discipulos naquele mar, lutando e lutando contra a maré, e já não mais pela travessia, mas pela sua sobrevivência.

Uma coisa temos que frisar com muita insistência:  Tudo  estava debaixo do absoluto controle de Deus.

As tempestades  vêm, mas Deus tem todas as coisas sob seu controle.

As tormentas da vida acontecem assim, de repente, sem aviso, sem que se possa nada fazer para que possamos evitá-las.  Parece até que andamos sempre numa rota rumo às tempestades.

Num lar, por exemplo, lugar de nosso descanso, lugar onde quereríamos que reinasse somente a paz, o sossego, a tranquilidade, onde pudéssemos viver comodamente todos os dias de nossas vidas, é ali mesmo onde se encontram os problemas que nos  deixam com a cabeça mais atormentada:   é ali onde acontecem os desencontros que mais nos afetam:   filhos rebeldes, filhos drogados, viciados, cônjuge inifel, ou não dado muito ao  trabalho,  depressões, esperanças frustradas, enfermidades, desarmonias, são lugares comuns em muitos lares deste mundo.

Nas finanças, então, é terrível a fase de dívidas grandes, com credores impacientes, juros subindo, conta bancária bloqueada, carro sendo apreendido, casa tomada, e propagandas na TV oferecendo coisas que você não pode comprar para sua família.

Enquanto temos nossos pais, eles são como um muro que se fecha para se opor aos ataques de terceiros, mas quando estes nos faltam, faltam-nos aquelas muralhas defensivas, então perguntamos: – Por que tanta demora em chegar o grande dia da solução?

Lembramos outra vez: Deus tem tudo sob controle, inclusive esta tempestade.

Obedecer a Deus não nos isenta de termos tempestades para enfrentarmos.

Jesus mandou que os discípulos entrassem no barco, e os despediu, e eles se foram.

Às vezes é exatamente porque obedecemos que vêm um turbilhão de tempestades  sobre nós.  Exatamente, porque obedecemos, podemos ser provados .   Mas Deus não é sádico.  Ele tem um propósito bom em seu coração.  E note:  só seremos abençoados se entrarmos no barco que Ele nos indicou para naquele lugar estarmos.  Fugir, nem pensar.  Não é a solução, nem uma melhor opção.  O Senhor nos mandou entrar no barco, então, entremos no barco.  Não pulem fora!

A  luta vem mesmo, mas o choro pode durar uma noite toda, mas… vale esperar para ver o Sol da Justiça raiar !

Quando pecamos e recebemos a paga de nossas ações indevidas, a luta não é surpresa, é algo como que esperado, é justificável.  Mas se buscamos achar o motivo, e não o encontramos, nenhuma culpa nos acusa, e passamos por uma tempestade, podemos crer:  é nessa luta qeu Deus quer nos abençoar!

Os discipulos entraram no barco perto das seis horas da tarde, e Jesus foi-lhes encontrar só lá pelas 3 horas da madrugada.  Muitas vezes pensamos: esta luta está demorando muito, demais!   É nessas horas que a gente sente que a luta ficou muito árdua.

É então hora de nos acalmarmos e dizermos a nós mesmos que:  A tempestade está debaixo do controle das mãos de Deus.  Nenhum mal vai nos acontecer.  Está tudo sob controle – é só aguentar um pouco mais…  Esta é a atitude que Jesus esperava de  seus discípulos.

–  «Será que Deus se esqueceu de mim?»  É a pergunta que muitos fazem, e certo jovem fez, quando estava nadando pela praia de Copacabana, cidade do Rio de Janeiro. Aquele dia a maré começou a puxar para o fundo, de modo que ele tentava nadar para a praia, e não o conseguia, pois era puxado mais e mais.  Quanto mais tentava nadar para a terra, mais ia para o fundo.  Certo momento ele se cansou, e não mais suportava  mais.  Seus braços não mais o obedeciam, e ele começou a afundar.   Afundou uma, duas, três vezes, e via aquela imensidão de água verde à sua frente, e era só o que via. Estava vendo que não poderia vencer aquela batalha.   Alguém à tona gritou por socorro, pois via uma iminente tragédia se desenrolando debaixo de seus olhos.   A vida do jovem estava se indo embora dentro de pouco tempo.   O jovem sentiu, então, seus pés tocarem no fundo da plataforma debaixo dágua, e resolveu, instintivamente, dar um impulso para a tona novamente.    Foi então que lá estava alguém que, como um anjo protetor, o tomou pela cintura, e foi nadando, até chegarem à margem, ambos a salvo! Depois, alguém comentou:  foi salvo por uma pessoa que não sabe sequer nadar direito!  Só para reforçar a realidade desta história narrada: o então jovem salvo é este que escreve estas linhas, fato que ocorreu no ano de 1965.

É assim:  o Senhor permite a tormenta, mas vem ao nosso encontro no momento certo para nos dar o escape!

Os discípulos remaram, mas não lograram sair daquela situação, e nada de sairem daquela situação, e estavam quase indo a pique, cansados e fatigados.

O Senhor quer que tiremos de nossas cabeças a idéia de que Ele se esqueceu de nós.

Ele está vendo.  Ele nos está vendo.  Desde o alto da montanha, onde Ele foi para orar, Ele ja estava vendo as dificuldades à frente de seus discípulos.

A Palavra de Deus nos diz que somos a menina dos Seus olhos.

Quando eles pensavam que estavam perdendo a batalha, lá veio Jesus!   Ele sabe aonde  Você está, e está vindo ao meu e ao seu encontro.

A tempestade, porém, continua ameaçadora, enquanto Ele não chega.

Daí Ele faz um caminho impossível no meio do mar, ainda em tormentas.  No meio da tempestade, Ele vem ao nosso encontro!

Não há por que  pensar que Ele usará de meios naturais, comumente usados pelos humanos.  Ele vem por cima das ondas, no meio do tumulto.  Seu trabalho é feito de maneira diferente do convencional, porque Deus é diferente!

Jesus aparece-lhes, e alguns deles gritam: «- é um fantasma» – mas não se assuste! pode surgir algo espantoso em seu caminho, mas veja: nem tudo são problemas.  V. clamou a Deus?  Então creia-me:  Ele poderá surpreendê-lo, aparecendo em seu caminho!   Se Jesus em pessoa lhe aparecer em seu caminho, não se assuste!   é porque V. clamou, Ele chegou, e chegou a hora do livramento!

Pedro então pensou: já que chegamos até este pé de situação, vamos partir para o sobrenatural:  – «Senhor, se és Tu, manda que eu ande sobre as águas!»

O Senhor deseja que todos, sem exceção, venham ao Seu encontro, sobre as águas, irrompendo sobre o sobrenatural, participando da bênção advinda do Seu poder!

Não duvide se o vento continuar, pois a tormenta só vai parar quando Ele entrar dentro do barco.  Vamos ao encontro de Jesus, com fé, e enfrentemos o mar cheios do sentimento de vitória dentro de nossos corações.  Vale a pena andar ao lado de Jesus, mesmo no meio da tribulação.   Logo Ele entra no nosso barco, e veremos o vento e o mar se aquietarem.  Tenhamos esta estranha experiência!   Será um marco para o resto de nossas vidas!


0 comments

Sorry, comments are closed.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho