I REIS – XIX – O CONFRONTO DO SÉCULO

0

agosto 15, 2017 by Bortolato

Muitos já ouviram falar de lutas monumentais. Cada um de nós tem de enfrentar em algum momento de sua vida o que não gostaria de fazê-lo, por ser muito desafiador, em extremo difícil, uma tarefa gigantesca para um menino, e talvez até traumatizante.

No século XX, talvez pudéssemos mencionar a luta entre Mohamed Ali e George Foreman, em 1974, no Zaire, como a mais famosa dentre os boxeadores mundiais.

No século XI A.C, cerca do ano 1018 AC., em Israel, já o grande embate foi entre Davi e Golias. Houve um ousado desafio da parte do gigante, que, jactancioso de suas inúmeras vitórias, pensava que não haveria ninguém capaz de enfrentá-lo com condições de derrubar ao campeão dos filisteus, mas… o pequeno Davi depositava muita confiança no seu Deus, o Senhor Yaweh, dos Exércitos celestes, para ajudá-lo. Daí houve um verdadeiro reboliço quando veio o triunfo do jovenzinho judeu.

Em ambos os casos, se tivesse havido um serviço de pesquisas de opinião, com certeza que a grande maioria de expectadores daria antecipadamente a vitória para aquele que não bisou vencer naquele dia. As aparências enganam…

Também poderíamos mencionar a batalha de Waterloo, onde Napoleão Bonaparte foi derrotado, em 18 de junho de 1814, e ainda muitos outros difíceis combates registrados na história universal, em que as guerras, em dado momento, sofreram uma reviravolta, e os que eram contados como certos que venceriam tiveram que amargar um revés tremendo.

Queremos, contudo agora, nos atermos a um confronto que houve em c. 862 A.C. em Israel, especificamente no monte Carmelo.  Este foi o confronto mais especulado que houve naquele século IXº, no Oriente Médio.

Um homem só, Elias, confronta-se com 450 profetas de Baal, e estes ainda acompanhados de outros 400 de Aserá, a sua “deusa esposa”. Um confronto extremamente desigual, alguém diria, com muita razão.

Ocorre que este confronto não foi apenas entre homens, mas entre o Deus de Israel e o deus Baal, que havia sido imposto goela abaixo pelo rei Acabe e sua mulher Jezabel, a todos os cidadãos israelenses.

Elias, porém, era um servo de Yaweh que não cedia a pressões, e o Senhor o fez duro como uma pederneira, com uma fé inabalável, de tal forma que não temeu ter de enfrentar ao rei Acabe e nem aos profetas do mal.    O mal, aliás, era o que imperava naqueles dias, e algo drástico que restou sobre aquela terra, como um pré-julgamento divino demonstrando reprovação e rejeição àquela situação que reinava.

Primeiramente, ele foi quem profetizou uma gravíssima estiagem, que perduraria por anos, pois que a palavra de Deus lhe deu autoridade para cerrar o céu, impedindo as chuvas e até o orvalho do campo descer à terra. Elias assim profetizou, e assim foi que aconteceu.

O rei Acabe percorreu todos os distritos de Israel como um maluco, e pediu informações até no exterior, procurando saber aonde andava o tal profeta que, com sua palavra, determinou uma desgraça insuportável como aquela.  O animais morriam de sede, e não somente o animais… era  triste de se ver…

O que Acabe não atinou em seu entendimento foi que aquela seca era um sinal de que a mão abençoadora de Yaweh, o verdadeiro Deus de Israel, se havia retirado de sobre o Seu povo. O motivo real: a idolatria.

O Senhor é Aquele que faz nascer o sol sobre os maus e sobre os bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos – mas naquele caso específico a mão de Deus havia retirado as chuvas e o orvalho, o que redundou em um sol causticante, ausência de rios temporários, minguar de águas em uma terra do semiárido, levando-a ao clima desesperadamente árido.

­Até poços escavados, que dantes forneciam abundante suprimento de água estavam ficando raros. O povo tinha que andar muito para obter a quantidade essencialmente necessária para o dia a dia. Nem se fale então das safras de frutas e cereais. O gado então estava morrendo por falta de relva verde no campo e de outros alimentos que pudessem comer.

A fome era um fantasma aterrorizador, que infringia dura sentença de morte. Da fome, a peste foi sua seguidora.  Tudo estava chegando a um ponto caótico.

No palácio do rei, muito embora houvesse um abastecimento periódico, provido por súditos de todas as tribos de seu território, a queixa era geral: todos estavam lutando muito para poderem sobreviver, de modo tal que a corte real estava constantemente alertando ao rei e a todos, que estavam a ponto de sofrerem um colapso na economia do país.

Por onde andou Elias durante esses três anos? O Senhor o orientava a ir daqui para ali ou acolá, a fim de não ser molestado, pois aquela pressão teria que continuar até o dia limite que somente Deus sabia quando.

Passados aqueles três anos a duras penas, a palavra de Deus começou então a dar orientações ao profeta. Estava chegada a hora “da onça beber água”.

Elias então sai de seu refúgio, e vai para perto de Samaria, a fim de encontrar-se com o rei apóstata.

Andando pelas terras assoladas pela seca, podia-se observar bem que destruição estava havendo. Era demais da conta.

Ao mesmo tempo, Acabe estava andando por certo lado do território em busca de capim para seus animais: cavalos, mulas, bois, ovelhas, cabras, e outros bichos. Muitos já haviam morrido, e os que restavam estavam em pé como que por milagre, e não se sabia por quanto tempo. Além do próprio rei estar vasculhando a terra neste frenesi em busca de alimento para o gado, ele mandou que um servo seu, chamado de Obadias, o auxiliasse nesta mesma procura, inspecionando a terra atentamente.

Obadias era mordomo do rei Acabe. Muito embora fosse servo daquele ímpio rei, ele tinha muito temor de Deus. Ao ver que Jezabel diabolicamente exterminava com os profetas de Yaweh, ele, às ocultas, procurou aos que pôde encontrar, e, tendo reunido cem deles, os escondeu em duas cavernas, onde os alimentava com água e pão.

Ia Obadias então pelo seu caminho, quando de repente se deparou com uma figura que lhe era familiar. Um homem vestido com uma capa de profeta, andando e vindo ao seu encontro. Era ele, Elias. Foi um susto! Obadias logo se achega ao servo de Deus, e prostra-se em terra.

Elias então lhe diz para ir buscar ao seu senhor rei de Israel, para anunciar que o profeta estava ali.

Obadias então fica temeroso. E se indo ele buscar ao rei, chegassem ambos até aquele lugar, e Elias lá não estivesse mais? O rei certamente que não gostaria nem um pouco daquele tipo de brincadeira. Acabe andava irado por causa de Elias, irritado por não poder achá-lo em parte alguma, muito embora tivesse buscado e buscado infrutiferamente.

Dizer ao rei Acabe, depois de três anos de procura, que o profeta que profetizou aquela desgraça sobre o seu reino aparecera e que estava querendo falar com ele; que o estava chamando para um diálogo em certo lugar, mas logo então desaparece outra vez, isto seria uma zombaria digna da ira daquele imperador. Obadias temeu muito por isto.

Obadias pede então que Elias tenha consciência daquilo que estava fazendo. Ele por certo que faria o que lhe fora pedido, mas com toda a sinceridade, ele, muito embora fosse servo de um indigno rei, antes de tudo, era alguém que cuidava para manter vivos os profetas de Yaweh. Obadias avocava a si um título digno de um servo do Senhor que procurava salvar os restantes de uma perseguição mortal da rainha Jezabel. Ele temia pela ira do rei a quem servia. Ele conhecia bem a Acabe, e sabia do que aquele rei seria capaz de fazer com um servo tido por escarnecedor. Seria a morte certa.

Elias então acalma a Obadias, dando-lhe toda a certeza de que naquele dia ele estaria ali mesmo para se apresentar perante o rei que tanto o procurou durante aqueles três anos. À vista disso, confiando naquela palavra, Obadias foi-se para relatar a Acabe que Elias o esperava naquele lugar.

Acabe, ao vê-lo, logo foi lhe lançando impropérios, acusando-o de perturbador da ordem, e do reino de Israel. Elias não se deixa turbar pela investida, e imediatamente devolve aquela carga de acusação de “perturbador de Israel” ao próprio rei e sua família real, que abandonaram os mandamentos do Senhor e se apegaram a deuses como Baal.

Logicamente que ambos nunca chegariam a um acordo, se continuassem apenas trocando aquele tipo de palavras, mas aquela conversa acalorada logo chega ao seu ponto mais importante. Elias propõe encontrar-se com todo o Israel, com seu rei, com os 450 profetas de Baal e mais os 400 de Aserá. Tais profetas idólatras eram considerados na mais alta conta, eram os intocáveis protegidos e sustentados por Jezabel, que os tratava carinhosamente, ao ponto de comer com os tais em sua mesa.

Aquilo prometia trazer à luz algumas coisas. Acabe, que antes raivosamente calculava em um meio de fazer rolar a cabeça de Elias, pôde prever um confronto muito interessante. Um único e simples profeta de Yaweh propõe encontrar-se com todos os mais famosos e acariciados profetas de Baal e Aserá. Em que poderia dar isso? Em um massacrante confronto. Baal seria exaltado, e Yaweh, juntamente com Elias, a seu ver, poderia ser altamente depreciado. E, se não houvesse uma solução para o problema da seca, Elias poderia ser logo capturado, preso e sentenciado à morte. Era o que muitos esperavam. Jezabel, ao saber disso, nem foi ao tal encontro; ao invés, permeneceu confortavelmente em casa, esperando ansiosamente por “boas notícias”.

E esse tal confronto, aonde poderia se dar? No monte Carmelo, em uma serra que ficava defronte ao mar Mediterrâneo, a noroeste, tendo a planície de Esdrelon ao seu sudeste. Elias escolhe, não o cume, mas uma ampla plataforma que hoje se denomina “El Muhraka” (em hebraico: lugar de queima), um pouco abaixo do pico, onde uma multidão incontável de pessoas pudessem assistir ao debate.

Era a hora da verdade. O povo estava bem ciente de que aquela terra foi escolhida para ser a terra de Deus, do Deus de Israel, mas a rainha Jezabel, apoiada por seu marido, estava transtornando esta condição, adulterando e profanando a propriedade de Yaweh. Na verdade, toda a Terra pertence a Ele, mas aquele território fora destinado a um povo que se propôs a fazer uma aliança eterna com o Senhor dos Exércitos, e o que a família real estava fazendo era uma afronta espiritual, um despropósito acintoso sem limites.

O povo que, consciente disso, ainda servia a deuses como Baal, certamente que o fazia com certa inquietação na sua consciência, e quando os três anos de estiagem vieram pela palavra profética de Elias, eles foram mais agrilhoados ainda em seus espíritos, vivendo verdadeiro conflito dentro de suas almas. Eles serviam a Baal como que tendo surfado em uma “onda” de idolatria, incentivados e impulsionados por seu rei e sua rainha, mas não deixavam de sofrer ao sentir uma pequena luz dentro de si mesmos a lhes dizer que o que faziam era um grave erro, e que aquilo lhes traria inevitavelmente terríveis consequências…

Criou-se então aquela curiosidade. Ao nível de lutas famosas, era como Davi e Golias, Aquiles e Heitor, Jorge Foerman e Mohamed Ali, em crescente expectativas. Elias aparentava ser a parte mais fraca, pois que sozinho, propunha-se a enfrentar aos 850 homens escolhidos da rainha, os grandes profetas de Baal e de Aserá, os mais famosos, os mais poderosos, os maiorais daquela deidade daquela época em Israel. A grande pergunta que emergia dos corações era: O que será que vai acontecer? Será que Elias vai aguentar a pressão?  Aquela sua coragem e ousadia chamaram a atenção do povo, mais do que um “furo de reportagem” atrairia os olhos de milhares e milhares de espíritos curiosos.

Todos sabiam que Elias era um dos mais ungidos servos de Yaweh, e que o Senhor dos Exércitos não era de brincadeiras. Muitos israelitas pensavam que talvez pudessem conviver com Yaweh e ao mesmo tempo com outros deuses, mas Elias era contundente, e dizia que não, e não! Só Yaweh é Deus, e mais ninguém! E não tinha conversa que o dissuadisse. E contra ele, a rainha Jezabel era a sua maior inimiga – aquela que quis extirpar a cultura monoteísta do Deus de Israel, e quase que o havia conseguido completamente – e ela simplesmente se deixou representar pelos seus “queridos” profetas idólatras, contando que a sua vitória já era certa. Elias, para ela, já era uma carta fora do baralho. Apenas presumindo que era questão de tempo…

Agora, chegada a hora, com a curiosidade à flor da pele, o povo começou a assistir “a loucura de Elias”, pretendendo que algo pudesse acontecer de forma a acabar com aquela seca assassina.

Elias começa a descrever a sua proposta a todo o povo. Seu discurso é rápido e objetivo. Ele parece sentir que o povo está com dúvidas a respeito de quem seria o maior: Yaweh ou Baal, ou melhor, qual destes realmente seria o verdadeiro e digno Deus de Israel, e tenta engolir em seco tal falta de firmeza nos conceitos do povo. Mas ele sabia como fazer para tirar toda essa dúvida, e para isso mesmo é que ele estava ali.

Suas palavras foram simplesmente: “Se o Senhor Yaweh é Deus, Ele somente deve ser seguido” – o que significava dizer: adorado, pois a Ele pertence a terra, o gado, a água e… o fogo! “Se não…” que então o povo estaria liberado a servir somente a Baal.

O povo não lhe respondeu nada. Não sabiam o que dizer. Nem imaginavam o que estava por vir. Ainda naquela expectativa, deixaram que Elias continuasse a falar. Muitos sabiam que os atos de poder de Yaweh eram incomparavelmente maiores do que os de qualquer outro que arrogasse a si o título de deus, mas eles infelizmente já tinham tido algumas experiências de contato com aqueles espíritos idólatras, que os deixavam confundidos naquele momento de encruzilhada.

E como tirar-se a prova real nesta disputa? É aí que estava o trunfo escondido que Elias trazia por baixo de sua capa de profeta.

Um deus que se prezasse não teria nenhum problema com acender fogo aonde quer que o desejasse, certo? Eles com certeza já viram algo acontecer neste sentido, durante os cultos a Baal.

Então Elias se predispõe a que se oferecessem em altares distintos, um para Yaweh, e outro para Baal, dois novilhos a serem sacrificados.

Logo buscaram as duas reses, para matá-las e dividi-las em partes, como era de costume, colocando-as em separado. Aquilo lhes estava parecendo bom, pois algo semelhante a um culto a Baal, como estavam cansados de fazer, estava se desenhando à sua frente. Até aí, tudo parecia que Baal iria gostar da brincadeira.

Elias então adverte: “não ponham fogo na lenha!” Que aquele que fosse realmente Deus acendesse o fogo no seu respectivo altar, e ninguém o interfira, e nem queira ajudá-lo. Aquele que realmente for Deus, saberá como acender o fogo sobre a lenha.

Elias, neste ponto, autoriza aos profetas de Baal a invocá-lo. “Se ele for realmente Deus, então o fogo se acenderá unicamente pela sua mão, sem auxílio humano”…

O povo gostou da proposta, e disse: – “Boa é esta palavra”. Para eles, a coisa estava ficando muito excitante, como as preliminares da maior luta que já haviam assistido em toda sua vida.

As tensões então começam. Os profetas de Baal prepararam bem o novilho, e então puseram sobre a lenha as partes, deitando-as ali sobre a lenha, e começaram a clamar: – “Ah, Baal, responde-nos!”

Isto aconteceu desde a manhã até o meio-dia. Pulavam em volta do altar, faziam o diabo, mas não ouviram voz alguma, e nem sequer uma pequena faísca de fogo lhes apareceu para incentivá-los a continuar. Nem mesmo um brilhozinho de um fogo fátuo.  O altar dedicado a Baal continuava sem nenhuma alteração. Baal parecia ter ficado surdo – ou melhor, de mãos atadas.

Aqueles sacerdotes idólatras já tinham visto alguma manifestação de Baal neste sentido em seus rituais pagãos, e por isso é que estavam fazendo todo aquele escarcéu. Eles estavam certos de que o lograriam, pois assim já o tinham feito de outras vezes… Quantas vezes viram um estranho foguinho acender-se no meio do desempenhar de suas mágicas, mas agora tudo estava muito estranho. Os homens de Baal não sabiam o que estava acontecendo, mas tudo lhes estava saindo errado…

Fazer fogo surgir sobre a lenha não seria difícil de acontecer, mas não naquele dia. Aquela ocasião estava escolhida para que SOMENTE quem fosse o único Deus verdadeiro ateasse fogo no altar do sacrifício – e Ele, o Deus verdadeiro, não permitiu que nenhum outro pretenso concorrente se aventurasse a intentar enganar o povo a quem Ele chamou de todos os povos para ser o Seu povo, de sua exclusiva propriedade. Enquanto demônios lutavam para poderem aproximar-se daquele altar dedicado a Baal e acender uma chama, um exército de anjos do Senhor estava ali, fazendo uma intransponível barreira, de modo que nada de fogo se viu no altar idólatra. Baal estava preso, imobilizado, não conseguir mover um dedo sequer…

Elias, ao meio-dia, passou a zombar deles, incentivando aos tais profetas para que clamassem com vozes mais altas, insinuando que Baal talvez tivesse viajado, ou estivesse ocupado, fazendo alguma sua necessidade urgente, ou mesmo dormindo, e portanto precisaria ser acordado…

O desespero começou a tomar conta dos profetas idólatras. Já não estavam tão somente pulando, exercendo seus rituais comuns, e clamando. Começaram a retalharem-se com lanças, fazendo escorrer seu sangue, o que então estavam dedicando ao seu deus que se emudecera. Pensavam que assim, pelo menos assim, poderiam ser ouvidos – mas tudo isso lhes foi em vão. Nada, nada, absolutamente nada aconteceu como resposta ao que tanto esperavam.

Até aí, tudo pareceu mostrar que Baal não apresentou o performance satisfatório, de modo que ele não era digno de arrogar a si sequer o título de um deus. E quanto a Yaweh? Como seria a Sua manifestação? Se Baal não era deus digno de ser o deus de Israel, será que Elias, ou melhor, o Deus de Elias?…  seria?…

Naquela plataforma junto ao monte Carmelo havia um velho altar que fora, no passado, usado para o povo buscar ao Senhor Yaweh, mas que havia sido destruído. Provavelmente fora derrubado pelas perseguições de Jezabel contra os profetas de Deus.   O seu estado demonstrava como estava o relacionamento de Israel com o Senhor Yaweh.

Elias chama ao povo para junto de si, e começa a repor as pedras daquele velho altar do Senhor. Colocou ali doze pedras, cada uma para representar cada tribo de Israel.

– “Agora ele vai colocar a lenha e depois as partes do novilho”, presumiu o povo. Mas não!

Elias começa a cavar uma vala ao redor daquele altar. O povo não estava entendendo o porquê daquilo, mas continuava a observar os procedimentos. Milhares de cabeças esticavam seus pescoços para verem melhor, e se perguntavam o porquê daquilo…

Então ele armou a lenha, dividiu o novilho e o colocou sobre a lenha. Neste ponto dos acontecimentos, deu uma ordem inesperada a quem o acompanhava: derramar quatro cântaros de água sobre a carne do sacrifício, e sobre a lenha. Que então o fizessem novamente! Não bastasse isso, que o fizessem outra vez! A água já enchia a cova que rodeava o altar.

O povo não estava entendendo. Aquilo só iria atrapalhar que qualquer chama ateasse fogo naquele altar. Lenha molhada? Novilho molhado? Com água em abundância? Mas foi o que fizeram. Tudo isso não fazia o menor sentido, até que…

Chegou a hora em que Elias começou a elevar a Deus a sua oração. Sem espalhafatos, sem sensacionalismo, sem  bater no peito, sem fazer gracinhas, sem rituais de autoflagelo, mas clamando em alto e bom som, para que todos pudessem ouvi-lo. Assim:

– “Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, seja manifesto hoje que Tu és Deus em Israel, e eu sou Teu servo, e que tenho feito estas coisas conforme a Tua palavra. Responde-me, Senhor, responde-me para que este povo reconheça que Tu, ó Senhor, és Deus, e que fizeste voltar o seu coração para Ti.”

Foi só!

O que V. acha? Se V. tivesse súditos que se tornaram rebeldes e amotinadores, infieis nos tratos, omissos quanto às leis que V. lhes teria ditado, e que escolheram antes servir a um falso deus? V. lutaria para reavê-los para si? Mas o Senhor Yaweh estava com o Seu coração ardendo de vontade de vê-los como filhos amados, e isto Lhe foi determinante. Ele quis demonstrar ao Seu povo o que estava errado, e propor começar tudo de novo, da estaca zero, para um novo caminhar lado a lado com seus amados.

Ele quis assim. Muito mais fácil para Ele teria sido menosprezar àqueles que o menosprezaram, pois assim tudo teria sido logo definido, para o azar e a destruição daqueles que O conheceram e voltaram atrás – mas assim não foi o que Ele quis. O Seu coração sofreu com a apostasia, mas não deixou de amá-los, e por isso não quis desistir deles. Com Ele, o povo teria felicidade eterna, mas sem Ele, havia um desastre iminente logo à frente, e Ele sabia que aqueles imprudentes e descuidados pecadores só tinham um caminho a seguir para ser feliz… Ele não Se permitiu deixá-los entregues à própria sorte, e agiu.

De repente, veio a resposta à oração de Elias.  Veio diretamente de cima, rasgando o ar até chegar rápido como um raio, sobre o local.

Fogo! Fogo! Um fogo devorador, uma labareda tremeda, muito forte, que desceu do céu, e baixou exatamente e estritamente sobre aquele altar que Elias erigiu, ali, no monte Carmelo.

Para espanto dos olhares do povo, para acabar com todas as dúvidas, de forma pujante, em inequívoca resposta à oração de Elias, aquele fogo celeste, que ninguém na Terra teria tido capacidade para acendê-lo, veio rápido como ninguém, e queimou e consumiu, em um só instante, o sacrifício, a lenha, as pedras, a terra e até a água que se havia acumulado na vala.

Aquilo só veio a revigorar as forças de Elias, e reacender a chama da fé no verdadeiro Deus de Israel. Acabe ficou atônito. Os profetas de Baal, estarrecidos, como lutadores de boxe que foram nocauteados. O povo viu cair abaixo a venda que estava tapando os seus olhos espirituais.

Diante de tal situação, o que viria a seguir? As chuvas? Ainda não, pois havia algumas coisas importantes a serem feitas antes que as bênçãos de Deus pudessem ser novamente derramadas sobre a Eretz Israel.

Se o contrário tivesse acontecido, o que faria o rei Acabe? Ordenaria, com toda a certeza, a morte de Elias, e que esta fosse executada imediatamente, pois não? Pois ele não seria taxado de um mero enganador, e tumultuador no meio do povo?

Como o que aconteceu foi precisamente o contrário, Elias então logo ordenou que o povo agarrasse aos profetas de Baal, todos eles que ali estavam. Ficou bem claro quem eram os que enganaram o povo, e que foram a causa daquela terrível seca.

Conforme o povo os agarrara, Elias pediu que os trouxessem para baixo do monte, onde corria o ribeiro de Quisom, e ali, aquilo que estavam querendo fazer ao profeta de Yaweh, o profeta fez a eles: matou-os.

Feito isto, Elias anuncia ao rei Acabe que uma tempestade estava a caminho, e por isso o monarca deveria ir logo para o seu almoço, antes que fosse colhido pela chuva.

Enquanto Acabe subiu dali para desfrutar de sua refeição, Elias ainda sentiu que precisava fazer mais uma coisa muito importante: falar outra vez com Deus.

Quantas vezes falamos com Deus durante nossos dias? Elias havia pedido algo muito importante diante do altar do Carmelo, e Deus o havia respondido positivamente, mas nossa comunhão com o Altíssimo precisa ser constante. Não devemos ser pessoas de breves palavras, e nem ter pressa para sairmos da Sua presença. Havia mais detalhes a serem preenchidos nessa história, e o espírito de Elias estava sentindo isto. Havia necessidade de falar com Deus mais um pouco. E foi o que ele fez.

Elias subiu ao topo do monte Carmelo, e ali começou a bater à porta do céu – inclinando-se por terra, envergando toda a sua coluna vertebral, ao ponto de colocar seu rosto entre os joelhos.   Isto prova que Elias era um homem magro ou pelo menos esbelto.  Pudera, ele não se poupava a fazer jejuns, instando em buscar a face do seu Deus…

De repente, ele parece ter recebido alguma revelação proveniente do Espírito de Deus, e ordena ao seu servo que subisse mais um pouco no pico daquele monte, para observar a banda ocidental, e ver se havia algum sinal de chuva.   Foi o que seu servo fez, mas nada pôde constatar.   O céu estava totalmente azul, sem uma nuvem, sequer, como que a dizer que a estiagem ainda não havia acabado…

Elias não se perturba com isso.   Pelo contrário, ele diz ao seu servo que repetisse aquelas subidas ao ponto mais alto do Carmelo, para ver como estaria o cenário, não uma e nem duas, mas SETE vezes…

Ao subir o servo ali pela sétima vez, então ele viu.   Viu uma nuvem que, ao longe, perto da linha do horizonte onde se via o encontro o azul celeste com o verde do mar Mediterrâneo, estava se levantando, ao que parecia, com muita rapidez, trazida por fortes ventos.   Não parecia ser grande, era “do tamanho da mão de um homem”, dizia o servo, algo sem muita expressão, mas nessas horas é que as aparências enganam…  Elias já manda avisar a Acabe para este apressar-se, porque ele sabia que lá vinha uma grande chuva.

E não deu outra coisa.  O céu se escureceu, e não demorou nada para que os ventos, assoprando forte, trouxessem uma tempestade que colheu a Acabe antes que este chegasse em Jezreel.   Antes que Acabe ali chegasse, porém, Elias foi dotado de uma grande força, e foi, tão veloz como o vento, como um campeão de corridas de Maratonas, à frente do carro de Acabe, tomando-lhe a frente naquela trajetória.

A Epístola de Tiago, capítulo 5º, versos 18 e 19 fala que Elias era um ser humano e frágil, como qualquer um de nós, mas orou para que os céus se fechassem por três anos, e outra vez orou para que o mesmo se abrisse.  E Deus honrou a sua fé.

As chuvas, por outro lado, caíam aos borbotões.  Elias procurava abrigar-se em algum lugar para não ser molhado, enquanto todo  o povo, admirado, louvava a Yaweh, que provou ser o grande manda-chuvas, e estava Se compadecendo de Seu povo.

A terra seca voltou a beber…

Que nossos corações não cessem de orar, clamar e cantar a Deus, pois isto é bom, e nos faz muito bem.


0 comments »

Lo siento, debes estar conectado para publicar un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho